Como ajudar a vencer a depressão

23/06/2020   Emoções / Saúde mental

No ultimo artigo escrevi como eventos hiperstressantes podem ser difíceis de serem vencidos sozinhos e de deixarem feridas que necessitam de ser saradas e não varridas para debaixo do tapete da mente. Também expliquei que geralmente são vários eventos análogos, ou seja, não iguais com as mesmas pessoas ou situações obrigatoriamente mas sentidos e vividos de forma similar. Quantos mais eventos análogos mais difícil é de vencer ou sarar a ferida.

Tenho me focado muito nos ultimos 10 anos em entender e sarar estas feridas. Entendo que são respostas biológicas em parte. Descobri na Microfisioterapia uma ferramenta poderosa, que em muitos casos trás resultados espetaculares em poucos meses. Aliado a uma suplementação adequada para reforçar o cérebro, pode mesmo sarar definitivamente muitas feridas. A Microfisioterapia nasceu em França mas tem feito um tremendo sucesso no Brasil com milhares de profissionais formados e relatos de sucesso que eu sou testemunha.

 

Entender como funciona a mente ajuda-nos de forma consciente a entender como a domar. A meditação ou mindfulness podem ajudar a diminuir para metade o risco de recaída em depressão, segundo um estudo de 2014 da revista Behavior Research and Therapy. Mas é bom que seja acompanhado por um especialista na área ou psicólogo para que ajude a acompanhar os progressos ou vencer obstáculos que muitos sentem ao fazer meditação.

 

A Constelação Familiar, criada pelo psicoterapeuta alemão Bert Hellinger,  pode ajudar a ultrapassar nas situações que há antecedentes familiares. Segundo ele, problemas e dificuldades atuais podem ser influenciados por traumas sofridos nas gerações anteriores da família, mesmo que os afetados agora não tenham conhecimento do evento original. Se é verdade ou não, o certo é que tem ajudado muitas pessoas em todo o mundo a recuperar o equilíbrio.

 

Por vezes é mesmo necessário tomar medicação psiquiátrica e não tem mal algum com isso desde que não desistamos de procurar solucionar a ferida emocional e fiquemos assim para o resto da vida. A medicação diminui a dor da ferida emocional mas não a resolve e ficamos sempre tristes ainda que menos.

 

Fazer desporto tem vindo a demonstrar ser muitas vezes tão eficaz como tomar antidepressivos pelo que deve-se incentivar a fazer diariamente. Segundo uma revisão sistemática de dezenas de estudos científicos de 2013 da revista American Journal of Preventive Medicine pode diminuir até 63% o risco de depressão.

 

É necessário uma abordagem multidisciplinar, que passe por apoio psicológico, psiquiátrico, técnicas integrativas como a Microfisioterapia, psicoterapias, fazer desporto e mudar outros campos da vida.