Ritmos, flora intestinal e humanos

11/11/2019   Alergias e Imunidade / Tubo Digestivo

Os ritmos biológicos, como os circadianos (dia/noite) afetam muito a nossa saúde. Desde doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes até ao cancro têm vindo a ser ligadas às perturbações destes ritmos de vida nos estudos científicos.

Hoje sabemos que a flora intestinal é incontornável para prevenir também todas estas doenças e fortalecer o sistema imunológico. O que não sabíamos até à pouco era que estes seres microscópios adaptam-se a nós, à nossa dieta, sazonalidade e etapa da vida. Aquilo que escolhemos comer é o factor mais importante na sua seleção. Se tivermos uma má seleção viveremos em risco de desenvolver uma doença grave. As nossas emoções também as afetam e se somos tristes ou alegres iremos ter mais de um tipo ou outro de bactérias. E por último os medicamentos, factor de destruição da diversidade da flora intestinal.

 

Sabemos também que as bactérias intestinais podem alterar os nossos biorritmos causando insónias, mau humor e aumentar o risco de doenças inflamatórias. Elas podem afetar o nosso metabolismo aumentando o risco de obesidade ou diabetes.

 

Se fazemos longas viagens de avião (jet lag), comemos muito tarde, mudamos a hora de deitar ou de comer, alteramos o equilíbrio intestinal. E por vezes isso aumenta o risco de infecção. Se por outro lado mudamos as bactérias que vivem connosco, por causa de emoções, drogas ou medicamentos, podemos mudar a nossa escolha alimentar e biorritmos. Ou seja, a influência é bilateral.

 

É uma relação de milhões de anos entre bactérias e humanos. E só agora começa a ser completamente compreendida. Por isso, trate bem dos seus amiguinhos. Tenha cuidado com o que come, bebe, toma. Use medicação apenas se não houver outra solução. Cuide dos seus pensamentos e emoções. Pois é questão para dizer, "diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és".

 

Fonte: International Review of Neurobiology, 2016, Volume 13, Pages 193-205